Muito bem-vindos à Parte 2 do nosso Guia Definitivo de Fibonacci. Na primeira parte da série – que você pode acessar neste link – construímos toda a base teórica a respeito da sequência de Fibonacci, sua história e o seu uso em diversas outras áreas do conhecimento, além dos mercados financeiros.

Na Parte 2 vamos finalmente para a parte prática. Iremos ver quais são as aplicações no mercado financeiro e na Análise Técnica, qual a forma correta de utilização das ferramentas e em que cenários elas podem ser melhor utilizadas.

Nosso objetivo com este post é desmistificar o assunto, eliminar os tabus e, quem sabe, fazer você, caro leitor, incorporar o uso dos números de Fibonacci no seu trading system.



RETRAÇÕES DE FIBONACCI

A primeira aplicação prática na Análise Técnica é a utilização da sequência de Fibonacci para analisar as retrações de mercado.

Os ativos, frequentemente, fazem correções e retrocedem uma porcentagem do movimento anterior. Existem várias maneiras de colocar essas retrações. As principais técnicas são a retração externa e a interna.



Usa-se o topo e o fundo de uma tendência mais proeminente para obter os prováveis pontos de suporte/resistência em uma correção. Na imagem abaixo utilizamos a ferramenta Retração de Fibonacci entre o topo e o fundo da tendência de queda para obter os prováveis pontos de Pullbacks.

Como podemos observar, o mercado corrigiu até a primeira retração (38,2%), cessou o movimento de correção e voltou a cair. Retomando o movimento prévio.


EXTENSÕES DE FIBONACCI

Assim como as retrações nos fornecem prováveis pontos de suporte/resistência em uma correção, as extensões nos fornecem prováveis objetivos do movimento atual (ondas de expansão).

Ou seja, os objetivos nada mais são do que prováveis pontos que a tendência poderá atingir futuramente. Além disso, a extensão determina o fim da terceira onda, logo, se baseia em duas ondas de tendência.

A ferramenta é utilizada da mesma maneira que nas retrações, usando-se o topo e o fundo de uma tendência mais proeminente. Entretanto, ao invés de usar as medidas de 38,2%; 50% e 61,8% usam-se as extensões de 161,8%; 200% e 261,8%.



EXPANSÃO / PROJEÇÃO DE FIBONACCI

A Expansão de Fibonacci é em grande parte semelhante à Retração de Fibonacci, e destina-se para a determinação do fim da terceira onda. Ao contrário da Retração, este instrumento é construído não sobre uma única linha de tendência, mas em duas ondas.

Para começar, a linha da primeira onda é desenhada, e a sua altura será considerada como uma unidade de intervalo mais tarde. O fim da segunda onda serve como um ponto de referência para a construção de uma linha vertical invisível.

As linhas correspondentes são desenhadas a partir do ponto de referência no intervalo igual a 61,8%, 100% e 161,8 por cento do intervalo. Considera-se que perto destes níveis, a terceira onda terá fim.

Para desenhar a expansão de Fibonacci, é necessário procurar um pivot para, a partir dele, conseguirmos traçar esses objetivos com as expansões de Fibonacci.

Portanto, iniciamos com o primeiro ponto da primeira onda no gráfico (1.) . Depois disso, deve-se definir o segundo ponto da primeira onda (2.). Para traçar a segunda onda, deve clicar no segundo ponto da primeira onda, e segurando o botão do mouse, desenhá-la (3.).



E assim chegamos ao final da nossa série de artigos sobre o uso de Fibonacci na Análise Técnica. Esperamos ter esclarecido todas as dúvidas a respeito desta ferramenta poderosa que pode integrar o seu arsenal e deixar o seu trading system ainda mais completo!


Nos vemos em breve. Ótimos trades!


Pedro Canto @ Hub do Investidor

Analista de Investimentos

CNPI-T | CEA | PQO | MBA